Instituições de Montemor-o-Velho recebem apoios para respostas sociais

0
216

A Associação Cultural Desportiva e Social de Ereira e o Centro Social Paroquial da Carapinheira, Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS’s) do concelho de Montemor-o-Velho, no passado dia 20 de Maio, assinaram, com o Instituto de Segurança Social, os contratos de comparticipação financeira, ao abrigo do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais de 3ª Geração (PARES 3.0).

Na cerimónia, que juntou mais de três dezenas de instituições do distrito, a Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, sublinhou que este é o “maior investimento de sempre em equipamentos e em respostas sociais” em Portugal, representando um investimento de 29,3 milhões de euros e uma comparticipação de 18 milhões de euros para a requalificação ou criação de novas respostas sociais para o envelhecimento e para pessoas com deficiência no distrito de Coimbra.  Ana Mendes Godinho destacou ainda a “grande capacidade de articulação e trabalho” entre o sector social, as autarquias e a administração central, facto que garante uma proximidade em permanência e contribui para a coesão territorial.

Com a formalização deste apoio, é dado um novo impulso para que a Associação Cultural Desportiva e Social de Ereira possa desenvolver a construção de uma Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) e aumentar a capacidade de resposta do Centro de Dia, e o Centro Social e Paroquial de Carapinheira possa realizar o sonho da construção de uma ERPI – a Residencial (Lar) de Nossa Senhora das Dores.

À margem da cerimónia que contou com a presença da Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, e da Diretora do Centro Distrital, Manuela Veloso, a adjunta do Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Célia Craveiro, sublinhou que “a assinatura destes contratos assinala um marco importante para o desenvolvimento e coesão social do concelho e demonstra o espírito empreendedor e a capacidade de trabalho das IPPS’s concelhias”.

De registar que o Município de Montemor-o-Velho assumiu o compromisso, com as entidades que apresentaram candidatura a este mecanismo de financiamento  (PARES 3.0), de comparticipar até 15% das despesas elegíveis contempladas em sede de notificação da decisão, que não sejam objeto de financiamento por parte do Instituto de Segurança Social.

Texto e foto: Aldo Aveiro


Comentários