António Roque: Lenda do Mouro Al Pal Omar (Pombal) parte IV

0
463

Mas não se pense que o Reino ficou apaziguado pois uma nova batalha está para começar lá para o Condado do Oeste. Parece que o Manel Escuteiro quer tratar da saúde ao Alcaide do Narcisus, que governa esse Condado. Vai ter início a batalha épica de Manel Escuteiro contra o Rei dos Galináceos com o alto patrocínio do Conde do Oeste, que lá do alto do seu palácio, ao lado da linha do Oeste vai estar atento para ver quem morre ou se morrem os dois.
Vinganças, traições, amores, ódios de estimação e alguns figurantes…que cada vez mais têm esse papel. Será que fingir que estamos mortos para que os nossos inimigos se matem uns aos outros ou se suicidem resulte agora? Da última vez deu buraco e morte política…agora o que será que vai dar? Esta retirada da confiança política do Alcaide Pedro ao Barão Brilhante Pedro vai matar quem? Se o Pedro tiver razão mata o Pedro e o Príncipe… se o Pedro tiver razão só mata o Pedro e salva o Príncipe.
Com isto tudo a Marquesa Prada vem á corte dizer que não vira o bico-ao-prego pois as suas divergências com o Príncipe são conhecidas, são pessoais e estão a ser tratadas nos sítios certos, deixando o Mika do Porsche sem saber quais os sítios certos para virar-o-bico ao prego.
O Condado do Oeste continua ao rubro. O Conde está apeado do cavalo, o Manel Escuteiro anda em luta com o Alcaide e parece que o Alcaide já foi convidado pelo Pança a assumir novamente o condado do Oeste, deixando o Manel Escuteiro e o Conde visivelmente perturbados. Aquele pergaminho laranja do Oeste é já uma tomada de posição. Pois é inadmissível num pergaminho sobre as figuras e figurões do Oeste ser entrevistado o “testa de ferro” do Manel Escuteiro e não ser entrevistado o alcaide Mor do Condado. O Alcaide Mor do Oeste já fez saber ao escriva do pergaminho que isto não vai ficar assim, que se recusa a comer gelados com a testa.
Entretanto na corte o Pança anda muito preocupado pois o Barão Brilhante anda a fazer perguntas incomodas sobre o saco das despesas do Príncipe, do almoço com a família Luís e com o Sangue Azul do Cardal, pelo valor da saída do saco, o almoço do Príncipe com o Sangue Azul na capital não foram favas. Entretanto o Pança vai á corte explicar que o seu saco de favas é legal, foi auditado e não tem nada que provar a ninguém da sua honestidade. Perante esta cena o Príncipe ri e o Barão Brilhante promete não baixar os braços e vai lutar com todas as forças para provar que o saco para as favas não é tão transparente como querem fazer parecer.
Entretanto a Marquesa Prada foi a banhos e ás tantas aproveitou o faval do Pança para comer alguma coisinha, pois pelos vistos tem passado necessidades, ultimamente, devido ao seu afastamento do Príncipe e da Corte. A Marquesa anda magrinha que mete dó.
roque.antonio@sapo.pt

Publicado na edição em papel do mês de Setembro 2020

Comentários